Estudo descobre que as pessoas esquecidas são mais inteligentes

Se você é uma destas pessoas que costuma esquecer datas comemorativas, onde deixou as chaves, o controle remoto, celular, e vive tendo os famosos apagões ou brancos durante o dia a dia, não se preocupe e nem fique envergonhado. Este pode ser um sinal de uma grande inteligência.

A Universidade de Toronto, no Canadá, realizou um estudo onde constatou que as pessoas chamadas de “esquecidas”, e mesmo que pareça contraditório, possuem uma boa memória para as coisas realmente importantes.

O estudo mostrou que o esquecimento pode ser uma fator chave muito importante na manutenção da memória. Isso por que ele permite que o cérebro apenas se concentre em fatos e informações que sejam mais relevantes e que possam influenciar na tomada de decisões do dia a dia.

Veja um trecho do texto sobre o estudo:

“Estudo neurocientifico translacional, divulgado na RTP-1 recentemente, reforça o papel da MEMÓRIA na optimização dos processos de tomada de decisão. Admite-se que indivíduos com melhor traço de memória poderão estar mais aptos para as melhores escolhas. A MEMÓRIA é dinâmica alternando entre estados de permanência e passageiros, dependendo de áreas cerebrais conectadas em redes de biliões de neurônios, onde circulam também dados desnecessários (informação ruidosa) que podem condicionar o primeiro nível de APRENDIZAGEM, a CODIFICAÇÃO, que é quando se atribui significação a um estímulo. Então os hipocampos; as amígdalas e territórios do córtex frontal em sincronia diminuem a força do sinal inútil promovendo espaço para que novas memórias se imprimam no tecido nervoso cerebral. Este mecanismo competitivo de padrões no fluxo de informação chama-se de REGULARIZAÇÃO tal como na computação com inteligência artificial. É assim é possível fazermos GENERALIZAÇÕES com grandes quantidades de informação. E sendo a MEMÓRIA moldável é possível optarmos por comportamentos flexíveis e adaptados.”

O esquecimento trata-se de uma maneira de limpar o cérebro e serve para apagar as informações menos importantes, para que haja mais espaço para as mais importantes.

Resumindo, de acordo com o estudo, quando nosso cérebro esta cheio de informações inúteis, fica mais difícil tomar decisões no cotidiano, por isso é muito importante que não tentemos guardar tudo em nosso cérebro para não sobrecarregá-lo.

Você também vai se interessar:

O que você achou deste estudo? Você também é uma pessoa esquecida?

Conte para nós a sua experiencia com este assunto.

Fonte: Vix | Estudo

Recomendado para você

Se você usar este tipo de sandálias, corra para o ... Caminhar é uma atividade essencial para realizar nossas atividades diárias. A simples atividade de andar mal prejudica o sistema ósseo, especialme...
Resumo de ‘O Outro Lado do Paraíso’: q... Desde que Renan apareceu no julgamento de Beth, mostrou-se um cara ainda bem sucedido e cheio de amor para dar a ex-amante. Beth, no início tentou...
Horóscopo de Hoje: 11/03/2018 Sem dúvida, todos os dias estão cheios de possibilidades e oportunidades que nos esperam e só temos que aprender a aproveitar e apreciar. Mas, se ...
O bicarbonato de sódio remove gordura da barriga, ... As pessoas sempre procuram remover o excesso de gordura que temo no corpo. Os métodos convencionais são difíceis de manter e exigem muito tempo pa...
Resumo de “O Outro Lado do Paraíso”: q... Lívia resolveu procurar Clara para alertá-la sobre Renato, mas a mocinha não acredita e afirma que nada irá fazer com que ela mude de ideia, que é...
“O Outro Lado do Paraíso”: derrotado, ... Ninguém imaginou que Renato, desde o começo da novela, era na verdade o vilão. Cheio de boas intenções e sempre solidário, chegou a ser um dos esc...
“O Outro Lado do Paraíso”: Nádia parte... A maneira de pensar de Nádia irá mudar quando nascer o filho de Diego, que será negro. Depois de descobrir que a criança é realmente seu descenden...
“O Outro Lado do Paraíso”: Cléo começa... Xodó acabou vendo o que não queria por duas vezes. A primeira foi quando viu que Sophia e Rato entravam no carro depois de uma conversa, depois de...

Deixe seu comentário